Arquivos da Categoria ‘Yves Behár’

Conheça o escritório Oculus VR

Tuesday, June 10th, 2014

Em 2012, em um pequeno e apertado escritório em Irvine, Califórnia, um grupo de engenheiros empreendedores se reunia em torno de um protótipo de headset de realidade virtual que em breve iria balançar o mundo dos jogos eletrônicos. Inventado por Palmer Luckey, que tinha então 20 anos de idade, a tecnologia de ponta foi um sucesso quando introduzida no Consumer Electronics Show 2013 chamando a atenção de todo o tipo de mídia, desde a Popular Mechanics até a revista Wired, e acabou atraindo investidores que lançaram o Oculus para a estratosfera global.

Como uma start-up de crescimento acelerado, a Oculus VR reconheceu que era um risco perder seus traços culturais inerentes: uma equipe unida de intelectuais iguais, que tinham vibração constante, proximidade e mantinham ideias fluindo e colidindo constantemente. E tudo isso aconteceu com um robô de telepresença que conectava digitalmente um engenheiro Oculus trabalhando em Dallas aos membros da equipe, na Califórnia.

O espaço não estava funcionando para eles. Decorado com bancos rígidos e lineares, conversas eram conduzidas em pé, ou era necessário inclinar-se sobre os outros. Líder do projeto do Oculus, Joe Chen, estava frustrado que o espaço realmente não fomentava o tipo certo de interação; “colaborações acidentais” que acontecem espontaneamente não eram muito frequentes. Não havia pontos suficientes para conversas tranquilas. Ele queria melhorar a conectividade e conversas improvisadas que são inerentes ao sucesso da empresa. Eles também precisavam de mais espaço para acomodar seu rápido crescimento da força de trabalho.

A Oculus VR era uma candidata perfeita para testar uma nova linha de produtos que estava em desenvolvimento pela Herman Miller, chamada Public Landscape Office. Com design de Yves Behar, a linha atende às necessidades descobertas pelo grupo de Insights e Exploração da Herman Miller, que estava estudando os locais de trabalho em todo o mundo para observar diferentes formas em que ocorrem colaborações.

Os pesquisadores descobriram que o que antes era secundário para o trabalho, como camaradagem, colaboração e interação, tinha se tornado cada vez mais essencial. Ao diferenciar as sutilezas de como, quando, onde e por que as pessoas se conectam, a equipe tinha explorado comportamentos de trabalho colaborativo e identificado 10 Modos de Trabalho. Eles, então, definiram um conjunto de definições-espaços otimizados para apoiar o trabalho e interação que permitem que estes modos de trabalhar e ajudar a formar a base para um conceito chamado Living Office.

Cada Living Office é único, com base na finalidade distinta, caráter e atividades de seus habitantes. Ele é afetado pela cultura da empresa ou país que se encontra, bem como influências como as necessidades e estilos de trabalho dos seus trabalhadores. Confira algumas fotos de como ficou o escritório da Oculus VR a seguir.

Yves Béhar: Fazendo com que pareça fácil

Tuesday, September 18th, 2012

Um bom surfista faz com que a ideia de pegar uma onda pareça fácil, mas entre aqueles de nós que tentamos (e caímos), aprendemos rapidamente que não é nada fácil. “Há a água, há o oceano, e lá temos que tomar decisões rápidas, é diferente em cada oportunidade”, observa o ávido surfista, Yves Béhar. “Não é tão diferente de projetar”.

Béhar é conhecido no design e faz isso parecer fácil. Seja a moldura do encosto da SAYL ou as curvas biomórficas da Ardea Light , Béhar e sua equipe da fuseproject trazem anos de prática e experiência para cada produto que projetam.

Para Yves Béhar é simples: “Vamos tentar. Vamos ver se ele cai em cima de mim. Vamos ver se eu posso realmente passar por isso”. Ele está falando sobre o projeto ou surf? Em sua mente, não há nenhuma diferença.

Yves Béhar e sua paixão por surf dão início ao especial Why Design, uma nova série de vídeos com os designers da rede criativa da Herman Miller. Há oito vídeos no total, com um novo estreando a cada segunda-feira. Fique ligado, na próxima semana publicaremos sobre o designer Don Chadwick.

Why Design: a nova série da Herman Miller

Monday, September 17th, 2012

A Herman Miller acaba de lançar a série Why Design, onde reconhecidos designers de todo o mundo contam sob seu ponto de vista por que escolheram o design e como ele está presente em suas vidas.

Até 29 de outubro, às segundas-feiras, serão postados vídeos e fotos no site oficial americano da Herman Miller. Aqui pelo blog da Herman Miller Brasil iremos traduzir as matérias todas as semanas e publicá-las na semana seguinte à data em que foram publicadas nos EUA.

Com a pergunta “Por que o Design?”, a Herman Miller visa explorar o mundo através de quem sabe, com maestria, o que é design e a sua importância em nossas vidas. Veja a lista dos designers, matérias abaixo e acompanhe!

10 de setembro: Yves Béhar – “Surfing Is Like Improvisational Jazz”

17 de setembro: Don Chadwick – “The Camera Becomes an Extension of Your Eyes”

24 de setembro: Ayse Birsel – “Your Life Is Your Most Important Project”

01 de outubro: Irving Harper – “Paper Is a Versatile Medium”

08 de outubro: Gianfranco Zaccai – “Great Food Should Be Like Great Design”

15 de outubro: Studio 7.5 – “Design by Its Nature Is Collaborative”

22 de outubro: Steve Frykholm – “It’s the Breaks That Allow My Mind to Refresh”

29 de outubro: Sam Hecht + Kim Colin – “We Need Contrast and Tension to Be Able to Create”

6 Caminhos Para Desmaterialização

Tuesday, June 19th, 2012

A desmaterialização é um processo iterativo de design para reduzir materiais e a pegada ambiental, mantendo o conforto, função e durabilidade. Aqui há seis maneiras de fazer mais por menos, literalmente.

1. Cadeira SAYL, Yves Behar – O design inventivo e iterativo nos traz a cadeira SAYL, um estudo em eco desmaterialização. Menos peças e partes unificadas ajudam a reduzir o peso e melhorar a força simultaneamente, oferecendo uma cadeira melhor e mais inteligente, que é 93% reciclável. Veja mais no site da Herman Miller.

2. D’E-Light, Philippe Starck – Sem partes móveis – nem mesmo um botão – a D’E-Light de toque sensível é uma maravilha da simplicidade de design e função. Combinando energia altamente eficiente a iluminação de LED com dock para iPod, iPhone ou iPhone, o D’E-Light une e simplifica o ambiente de trabalho. Veja a luminária no site da Flos.

3. MacBook Pro da Apple – Fabricado a partir de uma única peça de alumínio, o MacBook Pro quebrou o molde de engenharia, a começar com menos e ganhar mais. Seu gabinete em corpo único continua forte e robusto, mas parece mais fino e leve ao toque. Ele vai a qualquer lugar, basicamente, de aparador para café. Visite na Apple Store.

4. Ideapaint – Inúmeros quadros acabam em aterros enquanto o papel é usado em demasia e sob reciclado desenfreadamente. Conheça o Ideapaint que pode transformar praticamente qualquer superfície em um espaço de colaboração de alto desempenho criativo, usando menos recursos, menos energia e mais engenhosidade. Visite aqui para pintar a cidade com suas idéias.

5. Cadeira Setu, Studio 7.5 – Inspirado na natureza, com linhas meticulosamente refinadas asseguram a forma Setu, que mantém cada molécula trabalhando para você. Conformidade, conforto e contorno estão imediatamente presentes, enquanto menos materiais são utilizados. Verdadeiramente menos é mais. Leia mais sobre a Setu no site da Herman Miller.

6. Trailer Cricket – Necessita sair do escritório? Entre no aerodinâmico e com peso reduzido Trailer Cricket. Precisando de menos gás e potência, graças ao seu composto de alumínio e construção de madeira, significa que você pode rebocar com o carro que você já tem. Construa o trailer modular perfeito e se amarre em Cricketrailer.com.

O processo interativo do design

Thursday, March 1st, 2012

As pessoas intuitivamente reconhecem um bom design, ele evoca um senso de inevitabilidade, um “deveria ser” como diziam Charles e Ray Eames. Para aqueles que não estão envolvidos com design, isso pode parecer simples, mas a verdade é que para chegar nesse resultado você terá passado por um processo interativo de explorar cada possibilidade até encontrar um que é o correto.

O designer Yves Behar sabe um pouco sobre isso por seu trabalho na SAYL. Para alcançar a sensação de refinada da SAYL ele demorou quase 3 anos. Mais de 100 modelos diferentes foram criados, cada um deles foi avaliado e resultou na criação de um modelo posterior. Isso se repetiu até que Behar e a Herman Miller alcançaram o design final que todos sabiam que era o certo.

O resultado final é uma cadeira sem quadro traseiro com um suporte ergonômico moldado na própria cadeira. Pioneira no mundo, a parte traseira se move, dá suporte e responde a quem senta nela de uma maneira natural. Quando você olha pra ela, você não vê o processo inteiro do design, mas fica com a impressão que ela é da maneira que deveria ser.