Hoje é a abertura da mais nova exposição de Cildo Meireles, na Galeria Luisa Strina

August 21st, 2014

Foi aberta hoje ao público, na Galeria Luisa Strina, a exposição individual de Cildo Meireles “Pling Pling”. A exposição vai apresentar obras inéditas em São Paulo, baseada na retrospectiva de Meireles em 2013, no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, em Madri.

A obra toma a forma de um espaço construído dentro da galeria, composto por seis salas, cada uma individualmente pintada com uma cor primária ou secundária diferente e equipada com uma tela de vídeo que exibe um tom complementar. No estilo típico de Meireles, a escala e a cor saturada são usadas para criar uma experiência multissensorial para o visitante enquanto caminha pela instalação.

Nascido no Rio de Janeiro, onde ainda vive e trabalha, Meireles é considerado um dos principais representantes da arte conceitual, com a criação de algumas das obras mais instigantes de sua era, no sentido estético e filosófico.

Local: Galeria Luisa Strina

R. Padre João Manuel, 755 – Jardim Paulista, São Paulo

Quando: Até 27 de Setembro

Funcionamento: De segunda a sexta, das 10h às 19h; Aos sábados, das 10h às 17h

Contato: Telefone: (11) 3388 2471 – http://www.galerialuisastrina.com.br/

Preços: Entrada gratuita

Quanto vale uma hora?

August 20th, 2014

De acordo com os proprietários de pequenas empresas, 500 dólares. Pelo menos essa foi a resposta a uma pesquisa recente ao instituto de pesquisa eVoice. Para eles, o tempo ficou no topo na lista dos mais valiosos ativos, superando até mesmo produtos como laptops e telefones celulares.

Então, por que os proprietários de pequenas empresas estão sofrendo com a tal falta de tempo? Em uma época em que novas aplicações e tecnologias são destinadas a tornar a vida e os negócios mais fáceis, não deveriam os empresários ter mais tempo do que nunca? Como se vê, muito da falta de tempo pode ser atribuída à quantidade de postos de trabalho que se assume em um determinado dia. Para o proprietário de uma empresa de pequeno ou médio porte, podem ser até entre três e cinco papéis.

O restante dos resultados do inquérito, artisticamente montados pela Mavenlink em um infográfico fornecido à Herman Miller, explora porque os proprietários de pequenas empresas têm tão pouco tempo de sobra. Notavelmente, ele nos mostrou como o escritório fragmentado de hoje é parcialmente responsável. À espera de informação, comunicação ineficiente e barreiras à colaboração todos os classificados no topo da lista dos desperdiçadores de tempo, 94%, 80%, e 78%, respectivamente.

Não importa o quanto uma hora vale para você, não faz sentido que um escritório eficiente pode ajudar a fazer mais do mesmo. Isto significa que têm espaços para colaboração rápida, áreas de foco amigável onde as pessoas podem trabalhar sem interrupção, e suporte a tecnologia que mantém tudo e todos, no lugar certo.

Hubs de trabalho em equipe criam comunidades

August 19th, 2014

Espaços multifuncionais são a chave para criar um ambiente de coworking, trabalho em equipe, então a Impact Hub de Seattle trabalhou com a Herman Miller para criar uma paisagem que é funcional o suficiente para incentivar o trabalho em equipe para uma variedade de membros, e flexível o suficiente para sediar eventos.

De acordo com Lindsey Engh, Diretor de Marketing e Comunicações da Impact Hub, o espaço tem sido uma parte integrante do valor que a organização oferece para seus membros.

HM – O que atrai as pessoas a serem membros na Impact Hub?

Engh – A história que na maioria das vezes ouvimos das pessoas que escolhem ter um espaço de trabalho aqui começa assim: “Tenho trabalhado em casa por um longo tempo, e eu realmente só preciso ter um lugar para me vestir e sair”.

É assim que começa. As pessoas vêm para a Impact Hub porque eles precisam de um espaço de trabalho funcional. A razão pela qual eles ficam é a comunidade. Eles encontram pessoas aqui que eles se conectam, para ajudá-los a crescer em seus negócios.

HM – Como seu espaço o ajudou a construir esse senso de comunidade?

Engh – Eu costumava pensar que a construção da comunidade parecia meio brega. Eu pensei que as pessoas que estavam tentando começar um negócio precisavam de dinheiro ou de infraestrutura ou de capacidade, mais do que comunidade. Mas o que eu vim a entender é que tudo é construído sobre relacionamentos: Conseguir um emprego, construir um negócio, toda a sua vida pessoal e profissional. É tudo baseado em relacionamentos. E a ideias de ajudar a facilitar esses tipos de relacionamentos significativos é fundamental para todo o modelo de coworking.

Então, para responder sua pergunta, como nosso espaço construiu um senso de comunidade? Há um monte de coisas em que estamos planejando, e também há coisas que já estamos fazendo. Uma grande parte da construção de uma comunidade está tornando mais fácil para os outros membros para saber quem está no espaço. Nossa “Parede dos Funcionários” é uma grande parte disso. Por isso, nós postamos fotos de cada membro, juntamente com algumas informações básicas e áreas de interesse, de modo que você pode colocar um nome a um rosto.

Não deixe de conferir o trabalho do fotógrafo Gabriel Wickbold na Galeria Lume

August 19th, 2014

Está aberta na Galeria Lume a exposição Sans Tache (Sem Marca), do fotógrafo Gabriel Wickbold, com curadoria de Diógenes Moura. A série inédita com 15 fotografias questiona a ação da passagem do tempo e os efeitos na natureza humana. O objetivo é criticar o padrão de beleza ditado pela mídia em fotografias manipuladas, que não transmitem a real aparência dos personagens.

As fotografias foram inspiradas na luz lateral e sombria de Caravaggio e na arte barroca renascentista em geral.

Gabriel Wickbold fotografou diversas pessoas para esse trabalho, cujo resultado final nos deixa com a sensação de estarem embalsamados, submersos ou, até mesmo em estado de levitação.

Local: Galeria Lume

Rua Joaquim Floriano – Itaim Bibi – 733 – 2º andar

Quando: Até 20 de Setembro

Funcionamento: De segunda a sexta, das 10h às 19h

Contato: Telefone: (11) 3169 0351- http://www.galerialume.com/pt/

Preços: Entrada gratuita

Atraindo e engajando a Geração Saudável

August 18th, 2014

Uma pesquisa mostra que 77% dos trabalhadores da geração Y são empregados por uma pequena ou média empresa. Os membros desta geração (também conhecidos como geração Y) têm muito claro que a sustentabilidade tem um papel fundamental nos produtos que compram, nas crenças que possuem, e nas empresas em que trabalham. O que podem pequenas e médias empresas fazer para atrair e reter os trabalhadores desta geração que está chegando?

Um relatório da Johnson Controls indica que a geração Y quer estar empregada em uma empresa que está fazendo mais do que o mínimo necessário para o bem de verde:

- 96% disseram que querem um “local de trabalho ambientalmente consciente ou amigável”.

- 57% disseram que querem que seus empregadores para executar bem acima cumprimento mínimo.

- 70,3% querem ter acesso a lixos recicláveis.

- 47,4% querem dispositivos para economizar água.

- 71,6% querem compartilhar impressoras de escritório.

- 47% querem painéis solares no local.